Domingo, Abril 21, 2024
Publicite Aquí
InícioSociedadeAutor propõe viagem ao futuro do país em romance ficcional

Autor propõe viagem ao futuro do país em romance ficcional

Apesar de iniciante no mundo da ficção e do romance, o autor disse que procurou nas analogias do quotidiano a inspiração para levar o leitor até o futuro, num mundo onde as mulheres têm um papel preponderante e há inúmeras mudanças nos fenómenos sociais. “Procuro levar o leitor a reflectir como será o futuro de Angola, nos próximos 150 anos. Como poderemos chegar até esse destino e o que pode nos aguardar”, disse.
O ministro da Cultura Turismo e Ambiente, Jomo Fortunato, enalteceu o contributo do autor à ficção angolana, um sector das letras ainda pouco explorado pelos criadores nacionais. “É de louvar, em especial por ser um membro do governo, que ainda tem tempo para escrever”.

Durante o acto de lançamento foi realizado um recital de poesia, com Kanguimbo Ananaz e Adão Minji. A apresentação do livro foi feita pelo escritor Boaventura Cardoso.Natural do Bié e brigadeiro reformado, F. Tchikondo é o pseudónimo de Francisco Queirós, actual ministro da Justiça e dos Direitos Humanos de Angola. Além deste título tem ainda no mercado os livros “O semeador de Pedrinhas e outros contos”.
Conselho aos jovens

O ministro da Cultura, Turismo e Ambiente Jomo Fortunato, incentivou a nova vaga de escritores a apostarem mais na criatividade da literatura e a evitarem o plágio, pelo facto de num único ano os vencedores de dois grandes prémios angolanos de literatura terem praticado tal acto.

“Aconselho a juventude a evitar tal prática e começarem a fazer um maior investimento na criatividade artística e na verdade científica”alertou, além de instigar os jovens autores a evitarem o mau uso das novas tecnologias, em especial para copiar trabalhos de outros autores de forma fácil.Jomo Fortunato reconheceu que em Angola tem muitos jovens criadores e lamentou o facto de, apesar de ainda não ter sido provado, tenha mais um caso de plágio. “Embora o assunto ainda não tenha sido esclarecido é bom começar a combater esta prática”, apelou.

Depois do Instituto das Indústrias Culturais e Criativas ter anulado o prémio Jardim do Livro Infantil 2020, a Cirineu Francisco, por o livro “Kandengue do Gulungo e o livro que não tinha fim”, ser plágio de outro, da brasileira Sandra Aymone, intitulado “O livro que não tinha fim”, agora o vencedor do Prémio António Jacinto 2020, Lourenço Mussango é acusado da mesma prática pelo escritor brasileiro Paulo Cantareli.

Fonte: JA

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Recent Comments