Sábado, Dezembro 10, 2022
Publicite Aquí
InícioReportagemEm Odessa, insultos a russos e cara de Zelensky substituem matrioscas para...

Em Odessa, insultos a russos e cara de Zelensky substituem matrioscas para turistas

Em vez das tradicionais matrioscas, as lojas turísticas de Odessa expõem hoje canecas com a cara do Presidente ucraniano, insultos a russos ou expressões como “Slava Ukranii” [Glória à Ucrânia], na esperança de ultrapassar a crise causada pela guerra.

A fumar um cigarro e a ver o mar junto ao bar mais caro de Odessa, hoje fechado, Bogdan lamenta a crise turística, visível neste dia 01 de Abril. “O Dia das Mentiras é um dia turístico, com muitas famílias a virem cá”, explica.

Nas ruas mais perto do mar, ainda se veem algumas famílias a passear, até porque o clima ameno, mais mediterrânico, a isso convida, mas nos principais pontos históricos várias barricadas condicionam a circulação até a peões.

As escadarias do Palácio de Odessa e a Ópera estão cercadas por barreiras, arame farpado e sacos de areia, numa tentativa de proteger alguns dos principais símbolos históricos da cidade, conhecida pela arquitetura antiga não muito alterada pelo regime soviético, ao contrário de Kiev.

“Odessa é uma grande cidade, é uma cidade orgulhosa. Os barcos estão ali, mas não chegam cá”, acrescenta Bogdan, olhando para o horizonte de onde surgem, pontualmente, ‘rockets’ e mísseis, alguns dos quais disparados da Península da Crimeia, a sul.

A época alta começa a 01 de maio, mas, a um mês dessa data, Odessa está com pouca gente. “Houve muita gente que fugiu, não há muitos carros e as pessoas têm medo”, admite Bogdan.

Apesar do medo, Odessa continua a ser uma cidade turística e os russos compunham a maioria dos estrangeiros que a procuram. Hoje, em guerra, também os comerciantes de Odessa tomaram partido.

“Já não temos matrioscas, só isto”, diz Oksana, dona de uma loja da zona de Arcádia, uma das mais caras da cidade. E aponta para uma prateleira com canecas com várias expressões militares, semelhantes a muitos dos cartazes espalhados pelo país.

Desde o mais conhecido “Slava Ukranii”, um dos slogans mais repetidos pelos ucranianos, até ao “Vão-se F…”, numa referência ao que os guardas fronteiriços disseram a um navio russo no primeiro dia da guerra (24 de fevereiro), a imagens do Presidente ucraniano, Volodimyr Zelensky, sempre com a bandeira amarela e azul de fundo.

Oksana abriu a loja hoje, um mês depois do habitual, mas não tem esperança de ter clientes. “Temos de voltar à normalidade, apesar dos russos”, diz.

A cidade é conhecida pelas suas ligações à Rússia e há muitos cidadãos russos que têm casa em Odessa. Mas, nas ruas, não se veem carros com matrícula russa, ao contrário do que é habitual. A explicação é simples: muitos optaram por retirar as matrículas, com medo de represálias.

“Em Odessa somos ucranianos, estamos com a Ucrânia a cem por cento. Mesmo quem tinha dúvidas percebeu o que é o mundo russo e nós não queremos isso”, acrescenta Oksana.

Este verão, se a guerra acabar, Oksana espera voltar a ter turistas. “Se vierem russos? Sim, podem vir. Desde que não falem de política”.

LUSA

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Recent Comments