Domingo, Abril 21, 2024
Publicite Aquí
InícioOpnião*COLOCANDO A CARROÇA A FRENTE DOS ...

*COLOCANDO A CARROÇA A FRENTE DOS BOIS – O EQUÍVOCO DO PR LUCAS NGONDA*

De  um  tempo  a  esta  parte  os  Dirigentes  e  Militantes  da  FNLA  têm  vindo  a  se  perguntar  do porquê  que  o  PR  Lucas  Ngonda  atropela  sempre  os  Estatutos  do  Partido.  A  resposta  mais comum  é  que  o  faz  propositadamente  para  satisfazer  fins  particulares  em  detrimento  da  linha de pensamento da  FNLA enquanto  Partido Político  de âmbito nacional. 

Hoje  as  coisas  ficam  bem  mais  claras,  o  Presidente  Lucas  Ngonda  atropela  os  estatutos  porque não os conhece, que vergonha…

 É  uma  pena  os  militantes  saberem  desta  triste  realidade,  mas  fica  tudo  provado  que  Lucas Benghy  Ngonda  desconhece  completamente os  diplomas do Partido que o elegeram.

Se  não vejamos… 

 *O  que  fez* 

 Vinte  horas  antes  de  uma  reunião  do  executivo  nacional,  marcada  com  uma  semana  de antecedência,  suspende-a  e  Convoca  uma  Conferência  de  Imprensa.  Sem  qualquer  concertação com  os  membros  do  executivo,  nem  um  único  ofício  ou  qualquer  documento  escrito,  suspende o seu Secretário-Geral  em  plena  Conferência  de Imprensa  acusando-o de dois crimes graves:  estar a  impedir  o  processo  de  unidade  no  seio  do  Partido  e  de  estar  a  organizar  um  grupo  para destituir o Presidente do Partido.

 *O  que  dizem  as  Leis  e  os  Estatutos* 

As  leis  vigentes  na  República  de  Angola  consagram  a  “Presunção  da  inocência”  como  sendo  um direito  legal  de  todo  o  angolano,  ou  seja,  só  é  considerado  culpado  aquela  pessoa  cujo presumível  crime cometido  fique provado em  instâncias  judiciais  e/ou competentes. 

 *Os  Estatutos  da  FNLA*

 Ao  suspender  o  Secretário-Geral  do  Partido  através  de  uma  Conferência  de  Imprensa,  o Presidente  do  Partido  viola  o  disposto  na  alínea  k)  do  nº  2  do  Artigo  10º  dos  Estatutos  que advoga  que  é  dever  do  militante  do  Partido  dirimir  os  mal-entendidos  que  possam  existir  no  seio do  Partido  através  do  diálogo  directo,  franco,  permanente  e  no  quadro  das  estruturas  do  Partido; O  Presidente  do  Partido  viola  ainda  o  disposto  na  alínea  i)  do  nº  2  do  Artigo  10º  que  postula  que é  dever  do  militante  não  fomentar  o  espírito  de  divisão  e  intrigas  no  seio  do  Partido; 

 *Como  devia  se  proceder  o  Presidente* 

Ao  tomar  conhecimento  de  que  o  Secretário-Geral  está  a  reunir  um  grupo  para  o  destituir  do cargo de  Presidente. Este poderia  usar dois caminhos  para  a  resolução do  Problema: 

1  –  Por  ser,  em  termos  hierárquicos,  superior  ao  Secretário-Geral,  poderia  chamá-lo  e apresentar  a  informação  sem  reservas,  chamar  as  testemunhas  e/ou  apresentar  os  elementos probatórios  e  dar  a  oportunidade  de  o  Secretário-Geral  se  defender.  Caso  a  defesa  não  tiver fundamentos  plausíveis,  poderia  aconselhá-lo  e  esclarecê-lo  que  por  mais  que  queira  não  é possível  que o Presidente seja  destituído  desta  maneira, perdoá-lo e tocar pra  frente. 

2  –  Não  perdoar a  falha  do  Secretário-Geral  e  seguir  os  procedimentos  administrativos  legais,  ou seja,  por  mais  que  queira  se  ver  livre  do  seu  Coadjutor,  por  imperativos  estatutários  não  lhe  é permitido.  Sendo  assim,  faria  o  seguinte:  Convocar  o  Secretariado  do  Bureau  Político  nos termos  da  alínea  k)  do  nº  9  do  Artigo  34  que  diz  que  Para  questões  ou  assuntos  específicos  e inadiáveis,  o  Presidente  pode  convocar  e  presidir  algumas  reuniões  do  Secretariado  do  Bureau Político.  NB:  As  reuniões  do  Secretariado  do  Bureau  Político  são  convocadas  e  orientadas  pelo Secretário-Geral  do  Partido  (Alínea  j)  nº  9  Artigo  34º),  salvo  nas  condições  citadas  no  artigo anterior. 

Nesta  reunião  o  Presidente  apresenta  as  acusações  ao  Secretariado  executivo  e  informa  que através  disto  vai  criar  uma  Comissão  ad-hoc  de  Disciplina  para  instruir  o  processo  ao  abrigo  da alínea  l)  do  nº9  do  Artigo  34º  que  diz  que  Compete  ao  Presidente  do  Partido  nomear  os  membros da  Comissão  Ad-hoc  (…)  de  Disciplina,  que  auxilia  o  Bureau  Político  para  os  assuntos  sensíveis.

 Seguidamente,  esta  Comissão  ad-hoc  deverá  instruir  o  processo  colhendo  todas  as  informações do  Presidente,  na  qualidade  de  queixoso  e  as  respectivas  provas,  deve  ainda  ouvir  eventuais pessoas  como  declarantes  e  ouvir  o  Secretário-Geral  com  as  devidas  provas  contrárias  se houver, tudo isto nos termos dos Estatutos (nº  1, Artigo 11º) 

No  andamento  dos  Trabalhos  da  Comissão  ad-hoc  de  Disciplina  deve  o  Presidente  Convocar  o Bureau  Político  (  alínea  t)  nº9  Artigo  34º)  e  o  Bureau  Político  tem  competência  de  se  pronunciar sobre a  Constituição da  Comissão ad-hoc de Disciplina  como postula  a  alínea  t)  do  nº2  do Artigo 36º.  E  remeter  o  processo  ao  Comité  Central.  Este  deve  se  pronunciar  sobre  o  processo  nos termos da  alínea  l)  do  nº3  do Artigo 26º.

 Atendendo a  gravidade da  situação,  a  Comissão  ad-hoc  de  Disciplina  propõe  uma  sanção  e  cabe ao  Comité  Central  decidir.  As  sanções  podem  ser  admoestação  simples,  admoestação  registada, suspensão,  Destituição  ou  Expulsão  do  Partido  dependendo  da  gravidade  da  infracção  cometida nos  termos  do  Regulamento  de  Disciplina  do  Partido  (nº3,  Art.  11º  dos  Estatutos).  As  sanções que  vão  até  a  suspensão,  o  Comité  Central  pode  ratificar,  mas  a  destituição  e  a  expulsão somente  o  Congresso  o  pode  fazer  nos  termos  da  alínea  g)  do  nº2  do  Artigo  20º  que  trata  da competência  do  Congresso.  Uma  vez  ratificado  pelo  Congresso  é  de  cumprimento  obrigatório, podendo  ainda  o  acusado  recorrer  ao  Tribunal  Constitucional  para  rever  o  processo  e  isto  já  são “outros quinhentos”. 

 *Outrossim…* 

Mas há  um  senão nisto tudo.

Ainda  que  o  Presidente  Lucas  Ngonda  quisesse  seguir  este  trâmite  todo  que  se  faz  reflectir  nos Estatutos  da  FNLA,  fica  impedido  de  o  fazer  devido  ao  fim  do  mandato  de  todos  os  órgãos centrais  e  de  Direcção  da  FNLA(Entende-se  órgãos  centrais  da  FNLA  o  Congresso,  a  Conferência Nacional,  o  Comité  Central,  o  Presidente,  o  Secretário-Geral,  o  Bureau  Político  e  o  Secretariado do  Bureau  Político).  Reza  os  Estatutos  do  Partido  que  o  Congresso  é  o  Órgão  Supremo  da  FNLA e  deve  reunir-se  de  4  em  4  anos  para  eleger  os  seus  órgãos  de  Direcção.  O  último  Congresso  da FNLA  realizou-se  em  Fevereiro  de  2015  o  que  quer  dizer  que  o  mandato  desta  direcção  está oficialmente  terminado  desde  Fevereiro  de  2019,  ou  seja,  a  mais  de  um  ano,  estando  a  Direcção vigente  a  cumprir  um  mandato  temporal  o  que  lhe  reduz  a  possibilidade  de  fazer  alterações profundas no seio das estruturas  centrais.

 Daqui  pra  frente,  os  órgãos  centrais  da  FNLA  estão  limitados  na  sua  actuação,  podendo  apenas efectuar alterações ao nível  dos Comités Locais e alguns serviços administrativos. 

  *Lucas  Benghy  Ngonda  vs  Extinção  da  FNLA*

 Um  olhar  singelo  ao  que  diz  a  Lei  22/10,  de  3  de  Dezembro,  Lei  dos  Partidos  Políticos.  Vamos somente analisar o Artigo 33º  que fala  da  extinção de um  Partido Político: 

A  alínea  d)  do  nº4  do  Artigo  33º  diz  que  há  lugar  à  extinção  do  Partido  Político  por  decisão  do Tribunal  Constitucional,  quando  não  apresentar  para  registo,  durante  sete  anos,  as  actas comprovativas  das  eleições  periódicas  dos  órgãos  de  direcção  do  Partido. 

Agora  vejamos… A  FNLA  realizou  o  último  pleito  eleitoral  que  foi  reconhecido  pelo  TC  em  Fevereiro  de  2015,  isto é,  há  5  anos  atrás.  Curiosamente,  o  Presidente  Lucas Ngonda  informa  aos Secretários  Nacionais do  Partido  que  devem  o  apoiar  para  que  ele  vá  até  2022  na  Direcção  do  Partido,  é  que  em  2022 a  FNLA  fará  exactamente  sete  (7)  anos  sem  apresentar  as  tais  actas  comprovativas  das  eleições (…)  como diz o articulado da  Lei  dos Partidos Políticos.  Agora  me  pergunto, não será  propositada a  intenção de Ngonda?  Será  que há  uma  mão invisível  a  chantagear Ngonda  para  levar a  FNLA a extinção?  Vamos  analisar as outras alíneas fatais deste artigo.

 A  alínea  g)  do  mesmo  nº  e  artigo  diz  há  lugar  à  extinção  do  Partido  Político  por  decisão  do Tribunal  Constitucional,  se  se  verifique  que  o  seu  fim  real  é  ilícito  ou  contrário  à  moral  ou  ordem pública. 

O  TC  tem  a  faca  e  o  queijo  na  mão,  como  se  diz  na  gíria.  Hoje  a  FNLA  é  o  Partido  com  mais documentos  litigioso  no  Tribunal,  é  o  Partido  com  mais  crispação  no  Território  nacional,  já  lá vão  23  anos  que  os  conflitos  na  FNLA  nunca  terminam.  Isto  quer  dizer  que  o  TC  a  qualquer momento  pode  considerar  a  FNLA  como  um  partido  que  perturba  a  ordem  pública  e  declarar extinta.  Agora  pergunto,  será  que  Lucas  Ngonda  não  sabe  disso?  Por  que  continua  tão indiferente face  ao perigo iminente de extinção do  Partido? 

A  alínea  i)  do  mesmo  artigo  diz  há  lugar  à  extinção  do  Partido  Político  por  decisão  do  Tribunal Constitucional,  se  não  atingir  0,5%  do  total  dos  votos  expressos  nas  eleições  legislativas  a  nível nacional.

 É um  dado indiscutível,  se  o Presidente  Lucas Ngonda  for o cabeça  de lista  da  FNLA nas eleições de  2022  o  Partido  não  vai  atingir  os  tais  0,5%  do  total  de  votos  e  a  FNLA  será  extinta.  O  mais agravante  é  que  Ngonda  sabe  disso,  mas  então,  por  que  insiste?  A  FNLA  já  não  tem  nenhum bastião  eleitoral,  ou  seja,  votos  concentrados  numa  determinada  localidade,  os  votos  da  FNLA são  votos  dispersos,  como  exemplo,  no  município  de  Sanza-Pombo,  local  em  que  o  Presidente nasceu,  não  obtivemos  sequer  1000  votos,  triste.  Se  onde  ficou  o  umbigo  a  população  te desacredita, por  que insistir? 

A  alínea  b)  diz  há  lugar  à  extinção  do  Partido  Político  por  decisão  do  Tribunal  Constitucional,  se  o Partido  Político  não  participar,  por  duas  vezes  consecutivas,  isoladamente  ou  em  coligação,  em qualquer  eleição  legislativa  ou  autárquica,  com  programas  eleitoral  e  candidatos  próprios.

 Sabendo  que  estatisticamente  a  FNLA  não  tem  capacidade  de  concorrer  às  eleições  autárquicas em  todos  os  municípios  ao  nível  nacional,  o  Presidente  Lucas  Ngonda  sempre  advogou  a realização  de  eleições  autárquicas  em  todas  as  províncias,  mas  não  em  todos  os  municípios como  advogam  todos  os  Partidos  na  oposição.  Ngonda  sabe  que  se  as  eleições  se  realizarem  em todos  os  municípios  teremos  dificuldades  de  nos  organizar  pelo  menos  em  60%  deles.  Tudo  isto porque  há  má  gestão  e  administração  do  Partido,  não  acha?  Quando  não  dá  é  melhor  deixa  a coisa  andar, não é?  Em  fim.

 O  número 5  do  Artigo  33º  diz  Têm  legitimidade  para  requerer  a  extinção  por  decisão  jurisdicional, o  Presidente  da  Assembleia  Nacional,  o  Procurador  Geral  da  República  (…)

 Entenderam?  Vou  explicar  melhor,  para  além  do  TC,  o  Presidente  da  Assembleia  Nacional  e  o Procurador  Geral  da  República  também  podem  requerer  a  extinção  da  FNLA  e  olha  que  o articulado  não  apresenta  as  condições  para  o  efeito,  não  sei  se  de  forma  unilateral  pode-se  fazer isto ou se é  possível,  apenas através da  plenária. Em  fim.

 *Caso  a  FNLA  for  extinta…* 

 Caso a  FNLA venha  a  ser extinta, espera-se dois prováveis momentos:

 1  –  Dirigentes,  militantes  e  antigos  Combatentes  frustrados  e  a  desencadear  uma  perseguição em  massa  aos  principais  prevaricadores  da  acção,  os  nomes  mais  sonantes  serão  os  principais alvos  e,  na  pior  das  hipóteses,  veremos  ex-dirigentes  de  proa  no  Partido  assassinados  por militantes frustrados  e  sedentos de justiça. 

2 –  Ex-Dirigentes da FNLA  frustrados e decepcionados  e a  transportarem  uma  culpa  tão pesada, inclinados  no  mundo  do  alcoolismo  e  a  fugirem  de  tudo  e  de  todos  restando  apenas  as constantes neuroses que os  vão atormentando todos os  dias de suas vidas. 

Reflexão.

Jerónimo Makana, Porta-voz da FNLA.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Recent Comments