Sexta-feira, Fevereiro 3, 2023
Publicite Aquí
InícioPolíticaImpugnação do Congresso da UNITA é “maquinação”

Impugnação do Congresso da UNITA é “maquinação”

A UNITA assegurou, ontem, que o seu presidente, Adalberto Costa Júnior, detinha apenas a “nacionalidade angolana originária” aquando da sua eleição e investidura, em 2019, considerando o pedido de impugnação do congresso do partido como “uma maquinação política e eleitoralista”.

Segundo o secretariado executivo do Comité Permanente da Comissão Política da UNITA, o processo de impugnação que corre no Tribunal Constitucional (TC) “já não busca a tutela jurisdicional da legalidade”.

A eleição de Adalberto Costa Júnior, refere a nota de esclarecimento daquele comité, apresentada em Luanda, “respeitou as normas aplicáveis e deliberações” estabelecidas pelos órgãos competentes do partido adoptado no 13º Congresso Ordinário, realizado em Novembro de 2019. “A candidatura de Adalberto Costa Júnior foi submetida às exigências desse regulamento e, não tendo sido registada nenhuma incompatibilidade, foi admitida e apurada pela comissão organizadora do Congresso e ratificada pelo Comité Permanente da Comissão Política, em reunião de 21 de Outubro de 2019”, lê-se na nota, citada pela Lusa.

O actual presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior, foi eleito em 15 de Novembro de 2019, como terceiro líder da força política fundada por Jonas Savimbi, em substituição de Isaías Samakuva.

Um grupo de membros do partido, que contesta a actual liderança, aponta supostas irregularidades registadas no Congresso, nomeadamente que Adalberto Costa Júnior teria concorrido à liderança sem renunciar à nacionalidade portuguesa, tendo impugnado o acto junto do TC.A direcção do partido garantiu, ontem, em conferência de imprensa, que aquando do apuramento das candidaturas, da eleição e da sua investidura, Adalberto Costa Júnior “era detentor de uma só nacionalidade, a angolana originária”.

A nacionalidade portuguesa adquirida de Adalberto Costa Júnior, prossegue o documento, “não só era conhecida como também foi permitida pela UNITA, pois que, face às sanções da ONU, possibilitou a circulação desse dirigente pelo mundo em missões do partido”.”Assim, a questão da nacionalidade portuguesa (já renunciada), de Adalberto Costa Júnior, é encarada na UNITA com perfeita normalidade e circunscrita numa determinada fase da sua história e, de modo geral, da de Angola”, refere o comunicado.

A UNITA “lamenta que no tal processo tenham sido envolvidos, consciente ou inconscientemente, cidadãos que se assumem como seus membros”, e está “atenta e muito vigilante”, salienta a nota, acrescentando que “saberá responder, com a devida maturidade, na exacta medida, a esta e outras manobras antidemocráticas”.

Nesta nota de esclarecimento apresentada pelo seu porta-voz Marcial Dachala, a UNITA, que classifica o assunto como um “ruído”, afirma que o mesmo visa “atingir a direcção do partido acusando-a de não ser suficientemente idónea”.

Fonte:JA

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Recent Comments