Domingo, Abril 21, 2024
Publicite Aquí
InícioPolíticaAbel do PRA-JA SERVIR ANGOLA voltou a queixar o porco ao javali...

Abel do PRA-JA SERVIR ANGOLA voltou a queixar o porco ao javali tudo na mesma

Os partidos políticos angolanos precisam de entender a ideia do partido no poder e o seu parentesco sociológico constitucional. É necessário ler os sinais do tempo Dr. Abel Chivukuvuku. O político, voltou a anunciar mais um recurso ao TC e tribunais internacionais. Como diz o velho ditado, se o javali estiver a te criar problemas não vale apena reclamar ao porco, porque são da mesma família. A exemplo prático os juízes do TC, são membro do partido governo o MPLA, não será de animo leve fazer valer o recurso do PRA-JA junto Tribunal Constitucional.

A Comissão Instaladora do Partido do Renascimento Angolano – Juntos por Angola (PRA-JA Servir Angola) anunciou, na última quinta-feira, 30 que vai recorrer a instituições judiciais nacionais e internacionais devido aos sucessivos chumbos do Tribunal Constitucional (TC), que rejeitou a legalização deste projecto político.

“Vamos proceder a um recurso extraordinário junto das instâncias judiciais nacionais, em conformidade com o estabelecido na Lei. Vamos criar um grupo de trabalho para estudar os procedimentos a serem levados a cabo junto das instâncias políticas e judiciais internacionais”, disse aos jornalistas o coordenador da comissão instaladora, Abel Chivukuvuku.

Abel Chivukuvuku, que falava no termo de uma reunião de “emergência” para analisar os últimos acórdãos do Tribunal Constitucional que inviabilizam a legalização do PRA-JA SERVIR Angola, afirmou que, “por vocação, o Tribunal Constitucional deve ser o guardião da Constituição, mas, lamentavelmente, tem violado sistematicamente o primado da lei perseguindo o cidadão Abel Chivukuvuku e seus seguidores”.

“A postura do Tribunal Constitucional visa coartar o exercício e usufruto dos direitos de cidadania e configura claramente uma violação dos paradigmas do Estado Democrático e de Direito, pelo que o PRA-JA Servir Angola exorta todas as forças patrióticas para os perigos do retrocesso do processo democrático em Angola”, referiu.

“O PRA-JA Servir Angola considera que as barreiras políticas, jurídicas e económicas que as forças do mal procuram impor aos angolanos, apenas reforçam a nossa determinação porque a causa é justa e, ao longo da história das nações, as causas justas sempre triunfaram”, acrescentou.

De acordo com o político “a perseguição subiu de tom quando a Coordenação da Comissão Instaladora do PRA-JA SERVIR ANGOLA solicitou, em carta dirigida ao Venerando Juiz, a devolução das assinaturas consideradas não conforme e essa solicitação foi respondida, em Despacho de 23 de Dezembro 2019, com um ríspido não”.

“A perseguição prosseguiu com o despacho de 13 de Dezembro de 2019, em que o Juiz Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional, do total de 23.492 declarações de aceitação entregues, concluiu que apenas 3.997 estavam conformes e 19.495 não conformes e elencou cinco falsas razões nas quais ressalta, como exemplo, a relacionada com os atestados de residência, cuja emissão é da exclusiva competência das administrações locais do Estado, que é feita mediante a constatação de que o cidadão requerente está devidamente cadastrado no Portal do Munícipe e após o pagamento do respectivo emolumento, o que implica que o cidadão seja portador de Bilhete de Identidade”, acrescentou.

Abel Chivukuvuku acredita ainda que, não obstante as barreiras do Tribunal Constitucional, o PRA-JA vai participar nas eleições autárquicas e gerais.

Segundo o comunicado final, O PRA-JA informa que apenas precisa de formalização legal, porque é uma força política real e relevante, tem órgãos centrais, intermédios e de base presentes em todo território nacional.

“O seu líder, Abel Chivukuvuku, goza da simpatia e apoio dos cidadãos, sobretudo da juventude, e tem uma base social de apoio presente ao nível nacional e internacional, o que permitiu recolher assinaturas acima do exigido por lei em tempo inédito”, diz o comunicado.

O processo de legalização do Partido do Renascimento Angolano – Juntos por Angola – Servir Angola (PRA-JA – Servir Angola) está em curso desde Novembro de 2019, altura em que a formação política remeteu ao tribunal 23.492 assinaturas, das quais 19 mil foram rejeitadas, com várias justificações, entre as quais menoridade e falta de autenticidade dos atestados de residência.

“Atiraram a culpa para as administrações, para tudo o que é canto. Desta vez, mandámos 8.000 e tal declarações de subscritores, das quais mais de 4.000 com reconhecimento notarial e, mais uma vez, o tribunal desqualifica as administrações municipais, não reconhece o papel dos notários da República de Angola, e reconheceu cerca de 2.000 declarações”, disse Abel Chivukuvuku, numa reunião da Comissão Instaladora, em Abril.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Recent Comments