Terça-feira, Abril 16, 2024
Publicite Aquí
InícioEntrevistaProfessor da Escola de Sabedoria Bantu considera poligamia um casamento lícito

Professor da Escola de Sabedoria Bantu considera poligamia um casamento lícito

A poligamia é um tipo de relacionamento que envolve matrimónio simultâneo com mais de uma pessoa. Existem culturas que aceitam, promovem e incentivam a poligamia e apontam razões de natureza demográfica, social ou económica que incentivam laços poligâmicos.

Para abordar este assunto no contexto angolano conversamos com o Príncipe Yoʼzwa Bomengo, Professor da Escola de Sabedoria Bantu, súbdito e membro da Kanga de sua Magestade, Rei do Povo Bantu, TadyDiambwisu vô Tadydiantedimisi.

Qual é a sua visão sobre a poligamia?

Yoʼzwa Bomengo: Primeiro agradecer pelo convite e endereçar saudações a todos os leitores, e de forma honrosa cumprimentar a Sua Magestade TadyDiambwisu vô Tadydiantedimisi, o REI do povo Bantu e todos os Príncipes e Princesas do nosso Reino, o Reino da Verdade que em nossa língua se designa por Mbanza Kongo.

A minha visão sobre a poligamia, de acordo o ensino do REI do povo Bantu TadyDiambwisu vô Tadydiantedimisi, é clara, a poligamia é o casamento lícito instituido pelo Criador de todo sistema universal, o Todo-poderosíssimo, o Qual É chamado TATA KONGO. O casamento, ou makuela em nossa língua Kikongo, é uma união constituída por um só corpo ou uma só carne, cujo macho é a cabeça, ordem ou autoridade, e as fêmeas os membros que obedecem a cabeça. Desde os primórdios da nossa existência, o nosso povo sempre observou os princípios matrimoniais polígamos, até que por meio do ocidente e do ensino teológico, foi incutida ao nosso povo a monogamia obrigatória, por meio das suas doutrinas religiosas e das suas conservatórias do sistema democrático. Estes princípios matrimoniais do ocidente, ferem a LEI do Criador e nada têm a ver com o nosso povo. Segundo o ensino do REI do povo Bantu TadyDiambwisu vô Tadydiantedimisi, o nosso povo deve voltar ao conhecimento dos nossos ancestrais que serviram com toda coragem ao Criador TATA KONGO, pois, aceitar o ensino do ocidente sobre o casamento, viola a Lei da criação.

Sabemos que nos Estados Unidos da América, mais propriamente nos estados de Utah e Arizona, as autoridades judiciais reconheceram a existência de 40 mil pessoas a viverem em famílias poligâmicas, os muçulmanos também podem ter até quatro esposas e na província russa da Chechénia foi legalizada a poligamia. Será que a Poligamia não devia constituir preocupação social?

Yoʼzwa Bomengo: Bem, esta questão é pertinente porque o que exactamente devia constituir uma preocupação social é a monogamia obrigatória e não a poligamia. O ensino de Fhumu Tady, o Rei do povo Bantu é consistente neste aspecto, pois a prostituição e o adultério resultam da obrigatoriedade de um homem casar apenas uma mulher, ou seja, que num corpo a cabeça comande apenas um membro. Que fique bem claro que poligamia nada tem a ver com prostituição e adultério, pois as mulheres de um macho polígamo são todas tomadas de forma legítima e consciente, dentro dos padrões da Lei do Criador Tata Kongo, A poligamia não precisa de ser legalizada na nossa terra e no nosso povo, pois são princípios da nossa ancestralidade firmados na Lei do Criador e que não precisam de aprovação de homens; e, é por isso que os nosso princípios matrimoniais não permitem considerar a possibilidade de casamento em conservatórias ou igrejas que, combatem contra o verdadeiro casamento.

Príncipe Yoʼzwa Bomengo, Professor da Escola de Sabedoria Bantu. (DR)

O que a bíblia diz sobre a poligamia?

Yoʼzwa Bomengo: É sempre bom termos oportunidade de ensinar ao nosso povo a doutrina que merece confiança. A Teologia tem um fundamento, o estudo de Theos, um anjo de mitologia grega, chamado de “Deus” em Português, daí a Teologia significar o “estudo de Deus”. Falar do casamento verdadeiro, não se pode basear no fundamento da doutrina greco-romana, a doutrina de Theos que sempre quis dizimar o nosso povo por meio da monogamia obrigatória e da homossexualidade, ou seja, nos proibir de ter mais de uma fêmea e nos incentiva a aceitar a homossexualidade como um direito humano.

A Bíblia vale por si e cada um se identifica no que lê e crê no que lhe favorece, pois, é na mesma bíblia onde está escrito que o Criador deu mulheres ao Rei Davi (Samuel 12:7-8), é na mesma bíblia onde está escrito que sete mulheres podem se juntar e casar com um homem só (Isaias 4:1), é na mesma bíblia onde está escrito que as 12 tribos de Israel vieram de casamentos polígamos (Gênesis 30:1-43), é na mesma bíblia onde está escrito que Israel, que na verdade é Isolele, os Bantu (este ensino falarei noutra ocasião), é o povo que o Criador escolheu, o povo que nasceu de casamentos polígamos (Deuteronómio 32:8-9; Isaías 43:10), é na mesma bíblia onde está escrito que esta nação cuja sua matriz existencial é polígama, é o povo puro (Deuteronómio 14:2), é na mesma bíblia onde está escrito que duas mulheres do mesmo homem não são rivais, mas sim irmãs (2João 1:1,13), é na mesma bíblia onde está escrito que o casamento se consuma com a unidade entre a cabeça e os membros do corpo, sendo que um corpo não se pode constituir de um só membro (1 Coríntios 12:14).

Enfim, falar de tudo, não terminaria a minha abordagem. Outros para se justificarem da sua defesa contra a poligamia citam os livros de “Gênesis 2:24” que refere uma carne, quando não sabem que uma carne é o mesmo que um corpo e o corpo é constituído por uma cabeça (macho) e vários membros (fêmeas), como se lê em 1Coríntios 11:3 que o macho é cabeça da fêmea. Uns dizem que Paulo falou em 1Coríntios 7:2 que cada um deve ter a sua mulher; certo, sua mulher e não uma mulher, pois por eu falar sua camisa, não quero dizer que devas ter apenas uma, pois é sua se for tua propriedade, então, de acordo o ensino do Rei do povo Bantu, é sua mulher se tiveres direitos de posse sobre ela por meio de pagamento do dote correspondente.

Dizem que hoje as coisas mudaram e que o antigo testamento já não vale, então como explicam o Hebreus 13:8? Como o antigo testamento já não vale se Ababanah que chamam de Abraão continua a ser considerado para eles o pai da fé? Podem provar em toda a Bíblia a proibição do casamento polígamo? Conseguem fundamentar isso de acordo a Lei de Moisés, o Testemunho dos Profetas e os Salmos?

Acreditar que a nossa existência se resume em 66 livros, é negar que somos almas viventes. Devemos olhar para criação e compreender a nossa essência. Um dos Ngunza “Profeta” do Criador Tata Kongo, Simom Kimbangu, que também profetizou a vinda do nosso REI para instruir o povo Kongo, os Bantu, profetizou em 1921, dois dias antes da sua prisão o seguinte sobre o nosso povo: a geração do Kongo perderá tudo. Será confundido pelos ensinamentos e pelos princípios morais e perversos do mundo europeu. “Não conhecerá mais os princípios do verdadeiro casamento dos seus antepassados e ignorará completamente a sua língua. Na mesma profecia, ele afirma: “continuem a ler a Bíblia. Através das suas escritas, vocês chegarão a discernir os atos daqueles que vos vieram levar este Livro e as escrituras ou princípios morais contidos neste Livro. Pois um LADRÃO deve ser apanhado com o objecto que ele roubara!”. É por este motivo que nós, por agora lemos a bíblia para mostrar toda a mentira nela posta e também explicar a verdade que nela foi mantida, porém, mal-ensinada.

A bíblia não é o livro do povo bantu, pois foi por meio dela que fomos colonizados, ensinaram-nos a amar nossos inimigos e a orar por eles, e nos prometeram ir no céu enquanto eles exploram a nossa terra e nos deixam na miséria total. O retorno do REI trará a verdadeira liberdade do nosso povo. Por isso não defendo a poligamia apenas usando a bíblia, seria um erro, porque resumir o SER do CRIADOR num livro dos cristãos com 66 autores ou mais, segundo a linhagem doutrinal, um livro compilado em Roma por homens de um chefe político, é muito grave e um desrespeito as almas viventes, pois o Criador não criou apenas os cristãos bíblicos. E por outra, justificar o erro de casar com mais de uma mulher por causa dos erros de Salomão e Davi, como muitos defendem, é outra confusão, pois a mesma bíblia afirma que o REI Salomão é o maior sábio que pisou a terra. Esta forma de verem as coisas não faz sentido, e deviam provar a perfeição dos que casaram apenas uma mulher.

Então, de acordo o ensino de Fhumu Tady, o nosso REI, o macho recebeu domínio sobre toda a criação e a fêmea foi feita como um dos membros para lhe servir de ajudadora neste projecto. Não se pode condicionar o casamento a um sentimento de amor. A criação é representada por um corpo (cabeça e membros), ou seja, homem “cabeça” e mulheres “membros”, daí a LEI falar que a unidade entre a cabeça e os membros faz apenas um corpo ou uma carne (ordem e submissão). O Criador não fez as mulheres para servirem de amor ou de paixão, mas, para complementarem o homem como membros do corpo que recebeu a autoridade para comandar tudo que foi criado. Ou será que Adão teve que sentir amor pela Eva para lhe receber como mulher? Falo do amor, porque é o maior erro que foi associado ao casamento e assim todos se maravilharam e seguiram a mentira.

Como vamos aceitar a monogamia obrigatória trazida pelo colono? o Deus de quem falam, só apareceu ao nosso povo, particularmente em Nkongola “Angola” em 1482 para nos dizer por meio da bíblia que estávamos errados em relação ao casamento desde a nossa existência? Quem ensinou ao nosso povo estes princípios matrimoniais, foi o Criador ou a Bíblia por meio da espiritualidade perversa do ocidente? Algum servo de Deus aqui pode me dizer como é possível acreditar que o povo Bantu só conheceu o Criador há 541 anos desde que o mundo existe? É grave o ensino da religião de matriz eclesiástica. Coitado do nosso povo, é muita cegueira. Existe algum servo de Deus que pode fundamentar sobre o casamento sem ler a Bíblia que o ocidente trouxe para mudar a espiritualidade do nosso povo?

Príncipe Yoʼzwa Bomengo, Professor da Escola de Sabedoria Bantu. (DR)

Como é que vivem os Povos do Rei Bantu e como olham para a Poligamia?

Yoʼzwa Bomengo: Mbanza Kongo é o Reino dos Céus, o Reino da Vida Eterna, e a nossa Lei é baseada nas palavras e nos decretos do REI Fhumu Tady Diambuisu que tem sustentabilidade na Lei de Masa, no Testemunho dos Profetas antigos e nas orações e canções dos antepassados, livros estes que também foram colocados na Bíblia como pertença de povos estrangeiros, mas, que na verdade pertencem ao povo Bantu.

A nossa adoração é dada ao único Criador dos céus e da terra, o qual é Altíssimo, Nzambi MpunguNkua’Tulendu (Altíssimo Pai Todo-Poderoso), Nzambi Walunga (Altíssimo Pai Perfeitíssimo), Nzambi Kwamazulu (Altíssimo Pai nos Ceus), Suku (Sombra do Omnipotente), YAH (Altíssimo), Nkulu (ANTEPASSADO), YAH KONGO (Altíssimo que É Verdade), a Divindade Máxima e Suprema de Toda a existência, a qual, nossos ancestrais adoravam, depois de terem sidos libertos da escravatura de 400 anos no Egipto e terem se fixado na região dos grandes lagos, terra prometida, terra de riquezas lícitas que mana leite e mel; Somos um Reino que tem o nome do Altíssimo “KONGO”, e rejeitamos toda a espiritualidade pagã e ocidental de matriz eclesiástica. A nossa espiritualidade tem a nossa identidade, a espiritualidade bantu. Olhamos para a poligamia como casamento lícito, livre e verdadeiro, sendo este, o verdadeiro modelo que constitui os princípios matrimoniais do nosso povo. Honramos o REI e Adoramos o Criador, somos a imagem manifesta da decência na terra e comemos o que dá vida, pois quem come animais, come morte.

Somos Mbanza Kongo “o Reino da Verdade”, e não me refiro a capital da província do Zaire reconhecida pelo colono, mas, da terra que tem o nome do Altíssimo, hoje chamada por África Central. Mbanza Kongo é o nosso lar, a expressão do nosso falar, é o nosso louvor, a terra do nome do Criador, a expressão do nosso clamar, é a terra da Pedra preciosa, é a terra da Pedra angular, é o Reino da vida eterna.

Ser poligamo tem alguma vantagem?

Yoʼzwa Bomengo: Não se trata de ter ou não vantagem, pois até comer que é bom, tem desvantagens em muitos. De acordo o ensino do REI Tady, ser polígamo é uma questão da vontade do Criador, então como a Escritura da Verdade afirma que a vontade do Criador é boa e perfeita, logo a poligamia só tem vantagens, desde que tenha como fundamento a LEI de TATA KONGO por meio de seu enviado, o Rei do Povo Bantu.

Não acha que a Poligamia é motivo de desestruturação familiar?

Yoʼzwa Bomengo: Depende, essencialmente, do que as pessoas consideram ser família. Quando se fala de poligamia a visão das pessoas é: um homem que tem sua mulher, sai de casa, vai para fora e arranja outras mulheres, arranja outra casa e começa a viver em duas ou três casas, isto é o que todos imaginam, mas, nós em Mbanza Kongo, não funciona assim. Eu sou polígamo com duas mulheres, e todos vivemos em paz na mesma casa, cada uma servindo no seu propósito, pois, de acordo o ensino do Rei Tady, mulheres do mesmo homem não são rivais, mas irmãs que vivem em unidade para darem prazer ao seu senhor, e este por sua vez, cuidá-las dentro da justiça. Então não existe nenhuma desestruturação familiar.

Muitos defendem esta teoria de “desestruturação familiar” porque afirmam que gerir uma mulher é difícil, então imagina gerir duas. Se um homem não consegue gerir mais de uma mulher, ou não se revê em ter mais de uma mulher, não pode ser justificativa para se condenar ou negar o casamento livre (poligamia). Então se alguém não quer ou não consegue trabalhar em dois empregos, devemos condenar o trabalhador que consegue? O casamento também é um “trabalho”. As consequências que muitos invocam na área da saúde, ou do ponto de vista social, financeiro e até estabilidade emocional, têm a ver com o “adultério e a prostituição” e não com a poligamia, que são coisas diferentes que poucos querem entender.

Príncipe Yoʼzwa Bomengo, Professor da Escola de Sabedoria Bantu. (DR)

Como fica a educação dos filhos.

Yoʼzwa Bomengo: Como ensina o REI do nosso povo, não existem duas ou mais famílias no casamento poligâmico, não existem lares, mas sim LAR e uma família. Os filhos vivem em unidade e recebem a mesma instrução da LEI da VIDA, não havendo separação entre as mulheres em relação os filhos, pois no Reino não funciona o amor que é o sentimento injusto, mas, funciona a justiça e equidade. As mulheres são irmãs em relação ao marido, e são mães em relação a todos os filhos. A educação para os filhos é única dentro da nossa LEI.

Uma pessoa que tem mais de uma mulher consegue satisfazê-las sexualmente?

Yoʼzwa Bomengo: Sim, porque a satisfação sexual não está na força física, ou pelo facto de se ter uma mulher, é muito mais que uma questão física e sentimental, ela depende, essencialmente, da aplicação do conhecimento do domínio que a ORDEM (macho) deve ter sobre a TERRA (fêmea). De acordo o ensino do Rei Tady, toda mulher submissa na justiça ao seu marido é tida como prazerosa e sábia, e a esta o homem satisfaz em plenitude. Saber fazer sexo é um dos maiores conhecimentos que o nosso povo detém. Este assunto para nós é bula ka mavoba, ou seja, é um não assunto, pois um bantu é cabeça, e uma cabeça jamais teria problemas em satisfazer os seus membros.

É a favor do uso de estimulantes sexuais?

Yoʼzwa Bomengo: Sobre esta questão importa aqui explicar o seguinte: O Rei Tady na sua sabedoria, ensina que a alma vivente que o mundo chama de corpo humano, tem um corpo mental, energético e físico, e existem dentro da natureza elementos para estimular a acção sexual, porque são estes corpos que cooperam para uma actividade sexual segura e de sucesso. Tudo está na natureza. Agora, se forem estimulantes materiais, lubrificantes, químicos, e outros estimulantes fabricados para “supostamente” aumentarem a potência sexual, nós não usamos. Tudo está na natureza, e se tivermos que apimentar com qualquer aperitivo, tudo está na natureza, e estes são segredos do nosso reino, e este mistério é revelado à pessoas aprovadas para este tipo de conhecimento.

E se forem as mulheres a ter dois ou mais homens, por que motivo são julgadas pela sociedade?

Yoʼzwa Bomengo: Esta questão tem causado um certo barulho social, tudo porque o nosso povo aprendeu do ocidente sobre os direitos humanos. Nós o povo Bantu, súbditos de sua Majestade, o Rei TadyDiambwisu vô Tadydiantedimisi, filhos do Criador Tata Kongo, não somos regidos pelos direitos humanos ou pelo amor, mas, pela justiça e equidade. Poderia me responder: numa relação sexual entre o macho e a fêmea, quem deposita o sangue (espermatozoide) no corpo de outrem, o macho ou a fêmea? Qual é o certo, é que a mulher vai a um casamento para se unir com um homem sendo ela ainda virgem ou não? Com certeza que o certo é ser virgem, porque é o homem que tem o espermatozoide, é o homem quem fecunda a mulher para engravidá-la. Então se uma mulher casa com mais de um homem e cada um deles deposita o seu espermatozoide dentro dela, de quem serão os filhos que vierem desta mulher? Por isso o Rei Fhumu Tady, afirma que a desobediência às leis da criação provoca caos no ecossistema.

Então se um corpo é constituído por cabeça e membros, sendo o homem a cabeça e as mulheres os membros que se submetem à cabeça na condução de todo corpo, como é possível afirmar que um membro pode ter duas cabeças? Uma mulher que precisa gerar filhos, se envolver-se sexualmente com vários homens, quem será o dono da semente que será posta nela? Este é o fundamento de que a inversão da ordem hierárquica geraria caos no ecossistema

Todo barulho que se faz deste assunto é fruto do conhecimento errado que as pessoas têm sobre o makuela “casamento”, pois a regra de casamento já está definida, uma cabeça e vários membros, e todos juntos formam um só corpo ou uma só carne. A mulher foi feita para ser um membro ajudador do homem, então como pode desejar ter duas cabeças? Cientificamente um corpo com duas pessoas é considerado o quê?

Olhando para os povos Bantu será que têm ou são obrigados a dar as mesmas condições de vida a todas as mulheres?

Yoʼzwa Bomengo: Esta pergunta, eu começaria por responder com outra pergunta: será que o Criador é obrigado a dar as mesmas condições de vida a todos os seus filhos, ou um pai pode o fazer? Vejamos o que está escrito: Ele retribui a cada um segundo as suas obras. E em outra parte da Escritura foi dito: eu tenho prazer naquele que me obedece. Ainda em outro lugar a LEI afirma: é meu amigo aquele que faz a minha vontade. É por causa deste mistério que o nosso povo, o povo Kongo, não acredita no amor como sendo um sentimento justo, pois de acordo o ensino do Rei TADY, o propósito da mulher ser entregue em makuela “casamento” é o de servir o seu marido que é seu senhor. Então não existe aqui igualdade no tratamento, mas, justiça e equidade, porque da mesma forma que MasaYAH, o VERBO da Vida nos trata, nós também tratamos as nossas fêmeas. As mulheres em Mbanza Kongo, o Reino da Verdade, são instruídas na Lei e conhecem os Decretos do REI sobre seus previlégios dentro do casamento, e têm direitos dentro da Lei, pois, a Lei sanciona os maridos injustos. E dentro dos lares do povo bantu, existe hierarquia entre as mulheres, e todas cooperam com alegria em plena paz e justiça (poderemos aprofundar sobre isso quando numa oportunidade falarmos apenas sobre as mulheres do nosso reino).

Qual é o conselho que deixa a nossa sociedade?

Yoʼzwa Bomengo: O meu conselho é prático: recebam e honrem o REI que foi designado pelo Criador para nos conduzir, pois ele já foi coroado e no tempo definido pelo Criador governará sobre toda nação KONGO. Abandonem as divindades pagães trazidas pelo ocidente e toda espiritualidade daqueles que nos vieram tirar a liberdade, nos prometendo um falso céu enquanto exploram a nossa terra e nos deixam na miséria. Voltem à nossa ancestralidade e reconheçam os nossos verdadeiros princípios matrimoniais. Não rejeitem o conhecimento da verdade conforme muitos dos nossos pais rejeitaram no passado quando decidiram abandonar o Criador Tata Kongo e seu Filho MasaYAH para receber Deus e Jesus Cristo. Somos o verdadeiro povo do Criador, o povo que tem o nome do Criador e que habita na terra do nome Criador. Se és bantu, reergue-te e apresenta-te diante do teu REI e receba o conhecimento da verdade, seja livre e viva.

Como surge o Reino do povo Bantu e quando foi Coroado?

Yoʼzwa Bomengo: O Reino do Povo Bantu já é desde antiguidade, é o Reino que foi governado pelos nossos antepassados Ntinu Salamah que na bíblia chamaram de Rei Salomão, pelo Ntinu Yah’widy que na bíblia chamaram de Rei Davi, entre outros, e que hoje Ntinu Tady recebeu as chaves para fazê-lo prosperar grandiosamente como o Reino mais temido, mais próspero e detentor do conhecimento da verdade. Foi destruído pelo ocidente por causa da nossa desobediência ao Criador, e fomos levados cativos para adorar as divindades das dimensões inferiores. A actual restauração começou na idade 5999, no completar do tempo definido para a salvação dos bantu, na entrada do sétimo milênio, que no falso calendário gregoriano sucedeu em 2017. O Rei foi coroado na idade 6004, na sétima lua da terceira jornada, a nona hora em Yilusalamah, a cidade do grande Rei (hoje chamada de Cabinda), que no calendário grogoriano sucedeu a 28 de Outubro de 2022.

O Rei do povo Bantu para este tempo de restauração da nação Kongo, foi profetizado por séculos por muitos servos do Criador. “Profeta Simon Kimbangu” profetizou: nós teremos o nosso próprio Livro, no qual estarão os escritos as realidades nunca antes reveladas ao Povo do Kongo. Um Instrutor virá para escrever este Livro e preparar a chegada do Reino. Então cumprir-se-á a Terceira Etapa. Nesta Etapa nascerá um Grande Rei Divino. Ele virá com os seus Três Poderes: Poder Espiritual, Poder Científico e Poder Político”. O Profeta e Juiz Masa, chamado pelos ocidentais de Moisés, profetizou da parte de Tata Kongo: Eis que lhes suscitarei um Profeta do meio de seus irmãos, como tu, e porei as minhas palavras na sua boca, e ele lhes falará tudo o que eu lhe ordenar. E acontecerá que toda alma que não escutar esse profeta será exterminada dentre o povo.

Outro Profeta e Juiz de Tata Kongo, o Sola, chamado pelos ocidentais de Apóstolo Paulo, profetizou: A maldição de isolele, o povo Bantu, durará até que o tempo dos gentios se complete, e assim o povo Bantu será salvo, como está escrito: de Ntsiandy virá o Libertador”. Ainda o Profeta IsaYAH disse: porque brotará um rebento do tronco de Yesse, e das suas raízes um renovo frutificará. E repousará sobre ele o Espírito da Verdade, o espírito de sabedoria e de entendimento, o espírito de conselho e de fortaleza, o espírito de conhecimento e de temor do Altíssimo. E deleitar-se-á no temor do Altíssimo; Julgará com justiça aos pobres, e repreenderá com equidade aos mansos da terra. O Mestre MasaYAH afirmou: quando o Espírito da verdade vier, Ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos revelará tudo o que está por vir.

O Espírito me glorificará, porque receberá do que é meu e vos anunciará. Ainda afirmou o Mestre: tu és Tady e eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que permitires na terra será permitido nos céus, e tudo o que proibires na terra será proibido nos céus.

Príncipe Yoʼzwa Bomengo, Professor da Escola de Sabedoria Bantu. (DR)

Para terminar gostava de acrescentar mais alguma coisa?

Yoʼzwa Bomengo: Sei que cada um vive segundo o conhecimento que tem, uns para morte e outros para vida. Todo conhecimento deve estar fundamento na Lei de Masa, no Testemunho dos Profetas antigos, nas orações e canções dos antepassados; Nos Decretos, Leis e Fundamentos do Rei TadyDiambwisu, assim como no Testemunho dos Profetas reconhecidos por ele. Acreditar em fábulas que nos trouxeram do ocidente é um erro de identidade e contraria os quatro elementos que compõe a criação (a terra, o ar, o fogo e a água), dos quais o nosso REI tem domínio, porque recebeu as chaves para governar.

Esta Divindade chamada de Deus que o nosso povo recebeu do ocidente e adora como sendo o Criador, que hoje obriga um homem casar apenas uma mulher, é a mesma que escolheu as 12 tribos de Isolele que vieram de poligamia como seu povo, lhes dando o seu nome e uma terra que tem o seu nome? Conseguem explicar, sem falar em teorias vazias e lógica social, mas, de acordo a LEI, os Profetas e os Salmos, quem instituiu a monogamia obrigatória? O povo Bantu é contra a “monogamia obrigatória”, pois o número de mulheres é de acordo ao favor que cada um recebe da parte do Altíssimo.

Para terminar, que todos saibam: Mbanza Kongo é o nosso lar, a expressão do nosso falar, é o nosso louvor, a terra do nome do Criador, a expressão do nosso clamar, é a terra da Pedra preciosa, é a terra da Pedra angular, é o Reino da vida eterna.

Vida longa ao REI TadyDiambwisu vô Tadydiantedimisi, vida longa a todos os justos da terra, e todo louvor e exaltação seja dada apenas a TATA KONGO, o Criador de todo sistema universal. Ngeta

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Recent Comments